30/09/2019 às 11h40min - Atualizada em 30/09/2019 às 11h40min

Reflexões sobre a sexualidade humana

A sexualidade humana é influenciada pela interação de fatores biológicos, psicológicos, sociais, econômicos, políticos, culturais, legais, históricos, religiosos e espirituais. Ela está relacionada ao sexo, à sensualidade, identidades e papeis de gênero, orientação sexual, erotismo, prazer, intimidade e reprodução.

A sexualidade é muito importante para a espécie humana, além de ser uma das maiores fontes de prazer é também um meio de entrarmos em harmonia com a energia criadora do universo, proporcionando-nos saúde física e emocional, desenvolvimento espiritual e contato com o sagrado. Ela está presente ao longo de toda vida humana desenvolvendo-se deste o nascimento até a idade avançada, não sendo possível confundi-la com os órgãos sexuais, com um objeto (parceiro), nem com um objetivo (coito). Ela é polimorfa, polivalente, ultrapassa a necessidade fisiológica e tem a ver com as fantasias e simbolização do desejo e do prazer.

A dimensão sexual deve ser então, encarada como parte integrante e inseparável do nosso ser e, portanto, como uma vivência sagrada, em que coabitam intimidade, afeto e respeito. No entanto, nossa cultura ocidental necessita se reeducar para tal prática, repensar a tradição patriarcal, vencendo tabus para perceber a sexualidade em sua manifestação natural, ampla e abrangente nas vivências do ser humano desde o nascimento até a morte, pois esta prática não se resume ao ato sexual em si e tampouco aos órgãos sexuais, todavia é uma dimensão que abrange as atitudes do gênero - masculino e feminino em suas particularidades - o erotismo, a sensualidade e as várias funções do corpo em suas satisfações, influenciando as relações interpessoais, o contato do indivíduo consigo mesmo, o amor e a forma como construímos e compreendemos o mundo.

Nossas particularidades ao contato com o instinto sexual estão muito além da procriação e perpetuação da espécie. Do nascimento até a morte, nossa dimensão sexual irá direcionar todo nosso comportamento e nas fases da vida é importante estarmos atentos à sua manifestação.  A prática da sexualidade na relação afetiva com o parceiro ocorre também, por prazer, sentimento; realização, durante a gestação, após o período de reprodução e, principalmente, quando a gravidez não é desejada, ou seja, por prazer e amor e tudo isto, impulsiona o ser humano a criar rituais a fim de sofisticar e enriquecer o contato afetivo com o outro.                       

Nossas raízes culturais estão impregnadas de uma visão distorcida da sexualidade, recebemos uma herança machista e repressora sobre a prática sexual e, consequentemente, surgiram as disfunções, os desvios e perversões sexuais como estupro, abusos, pedofilia, a erotização infantil, a contaminação assustadora pelo vírus HIV, as doenças sexualmente transmissíveis, a banalização do que é sensual, os diversos casos de gravidez indesejada em adolescentes e todas as inadequações para administrarmos a sexualidade. 

Torna-se, portanto, indispensável aprendermos o caminho natural, respeitando nossa natureza e nossos limites, valorizando o feminino e o masculino, o contato com o outro e respeitando igualmente as enriquecedoras diferenças, que fazem da dimensão sexual uma vivência incrível!

A energia sexual desempenha um papel importantíssimo no bem-estar mental, emocional e físico. No ato de fazer amor, ela é preciosa, pois eleva a consciência a avançar para níveis mais altos de energia. Se o indivíduo está com alguém que ama, o ato de fazer amor e o orgasmo provocam uma expansão de energia nos campos energéticos e a energia sexual se funde com a energia mais profunda do amor. Essas duas energias se tornam então uma só energia, poderosa, criativa, transformadora, que pode operar cura e renovação.

Todo ser humano anseia pelo êxtase, procurando uma realidade maior que possa ampliar sua consciência através do contato com o divino. A sexualidade é uma das práticas que possibilita este contato quando vivida de forma consciente, segura, tranquila, com amor e valorização do outro, assim ocorre o essencial para a vivência com o inconsciente e consequentemente o desenvolvimento da personalidade. A plenitude experimentada na vivencia da sexualidade com o parceiro, pode leva ambos ao desprendimento do Ego e proporcionar a abertura para a experiência com o inconsciente favorecendo o contato com o Self. (totalidade psíquica consciente e inconsciente da personalidade que proporciona os meios de adaptação ao meio ambiente, a Deus e à vida espiritual. Sanford, 2015).

Em muitos contos de fadas e mitos, vemos retratada a jornada do encontro com o outro, que é permeada de dificuldades, encantos e desencantos, com os incômodos e a lutas necessários para o desenvolvimento da personalidade, onde há sempre um curso doloroso que simboliza o desenvolvimento da personalidade do herói ou heroína e que culmina na união que é sempre uma conquista árdua. As dificuldade enfrentadas nos mostram que precisamos estar aptos para o verdadeiro encontro. Precisamos provar que somos merecedores e estamos maduros para o verdadeiro amor e encontro sexual profundo.        

O amor vivenciado na sexualidade é incentivador do processo de individuação (processo mediante o qual um homem se torna o ser único que de fato é). Por meio dele o encontro com o outro nos conduz para uma dimensão mais profunda de nós mesmos. Por essa razão o amor e a sexualidade nos impulsionam a nos conhecermos melhor.
         
 
Eneide Caetano
Analista Junguiana membro da International Association for Analytical Psychology (IAAP),    Associação Junguiana do Brasil (AJB) e Instituto C. G. Jung/MG                                                              
Diretora de Comunicação do ICGJUNG-MG (gestão 2017/2020)                                         
Especialista em Sexualidade humana e Educação Sexual                                                                             
30 anos de experiência profissional
 
FONTES:
http://cafecomjung.blogspot.com/
 
Eneide Caetano – Aspectos Sagrados e Espirituais da Sexualidade Humana – 2002
Sanford, A John – Os parceiros invisíveis - 2015

Link
Relacionadas »
Comentários »
" data-width="400" data-hide-cover="false" data-show-facepile="true">