07/05/2019 às 14h47min - Atualizada em 07/05/2019 às 14h47min

'Acho que foi a maior alegria da minha vida', diz Rodriguinho, do Cruzeiro, sobre elogio de Tostão

O meia Rodriguinho disse que o elogio recebido do craque Tostão, ex-jogador do Cruzeiro e da Seleção Brasileira, foi a 'maior alegria' da vida dele. A declaração foi dada em entrevista ao SporTV. O armador celeste afirmou não ter acreditado quando leu a coluna do maior artilheiro da história da Raposa, com 245 gols, publicada no jornal 'Folha de S. Paulo'. 
"Acho que foi a maior alegria da minha vida. Eu não esperava, né. Estava em casa quando o meu irmão me mandou e eu fale: 'mano, isso aqui é verdade mesmo? Você fez uma montagem com isso aqui e me mandou?'. Ele (irmão) me falou: 'Não Rodrigo, é verdade". Na coluna, ele fala do modo de jogar com a cabeça em pé, do modo em que ele jogava, E isso foi o maior elogio e comparação que eu pude receber de alguém na minha vida. E foi do próprio Tostão. Isso que me deixou mais feliz ainda. Eu vou fazer um quadro e colocar na minha casa", disse.

Os elogios de Tostão a Rodriguinho começaram no dia 7 de abril. O colunista escreveu o seguinte: "Rodriguinho continua brilhante, como na época em que foi o melhor do Brasileiro. Joga com a cabeça em pé, sem olhar para a bola, e usa, com ótima técnica, as duas pernas, o que é raro, para passar e finalizar", analisou Tostão.

No dia 14 de abril, o ex-jogador fez uma comparação entre ele e Rodriguinho. "Escrevi, em outra coluna, que Rodriguinho joga com a cabeça em pé, sem olhar para a bola. Isso, o tamanho da testa e o início de uma calvície me lembram de um jogador do Cruzeiro dos anos 1960. Quem seria?".

Tostão lembrou, na coluna do dia 17 de abril, que a comparação era apenas técnica e física, não do talento dos dois. Tostão é um dos maiores ídolos do Cruzeiro. Em 1966, foi um dos destaques do time que destronou o Santos de Pelé, então pentacampeão nacional (1961, 1962, 1963, 1964 e 1965). Ele também foi campeão mundial em 1970 com a Seleção Brasileira.

"Não fiz nenhuma comparação do nível de qualidade entre mim e Rodriguinho, muito bom jogador para o atual futebol que se joga no Brasil. Escrevi apenas que Rodriguinho, por jogar com a cabeça alta, sem olhar para a bola, ter uma testa grande, um início de calvície e jogar no Cruzeiro, na mesma posição que eu, me fez lembrar do Tostão. Características técnicas e físicas são diferentes de talento. Não tenho nenhuma falsa modéstia. Reconheço o lugar, as virtudes e as limitações do atleta que fui", escreveu, em coluna na 'Folha de S. Paulo'.

Rodriguinho

O meia Rodriguinho chegou ao Cruzeiro nesta temporada e se adaptou rapidamente ao estilo de jogo do time. Em 15 jogos nesta temporada, o armador marcou oito gols (média de 0,53 gols por jogo).
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
" data-width="400" data-hide-cover="false" data-show-facepile="true">